Quando falamos em Vampiros hoje, o assunto não tem o mesmo impacto que possuía há uns 10, 15 anos atrás. Triste? Sim! Mas… Essa realidade pode estar mudando!

Cada vez menos filmes, séries e videogames com as temidas criaturas da noite foram sendo lançados, e isso fez com que os vampiros fossem cada vez mais banalizados – e eu não estou falando de Crepúsculo (ainda não)!

As pessoas passaram a não ter medo de vampiros, os zumbis viraram a bola da vez e o cinema de terror foi se tornando cada vez mais cheio de filmes de jump scare (aqueles sustos chatos que duram uns poucos segundos) e found footage (câmera na mão, Atividade Paranormal e outras porcarias). Ok, devo confessar que esse foi o terror da minha geração, e eu sempre abominei o gênero por conta dessa transição, já que ainda criança cresci com Além da Imaginação, O Exorcista, Sexta-Feira 13, Uma Noite Alucinante e outros filmes diferentes do que surgiu nos cinemas e em home-video entre 2000 e 2010.

Falar da evolução, do declínio e da ascensão do cinema de terror é algo que requer um Geekalizando para falar SÓ DISSO, e essa não é a ideia aqui, mas quero te situar no que parece que está acontecendo: o terror está voltando às suas raízes, e melhor do que nunca.

Agora, bora falar do que interessa!

Sem spoilers, mas anota aí: falaremos de Drácula, Castlevania, Entrevista com o Vampiro, Vampire: The Masquerade, Preacher, Angel, Blade, Kate Beckinsale e Tarantino.

Prepara o alho, algumas estacas e a água benta, porque vamos falar dos seres mais tenebrosos que o Diabo cuspiu para fora do Inferno (e uns caras bem gente boa também)! Tem vampiros pra todo gosto!

Drácula, Sirius Black e Comissário Gordon em um único pacote – o rei dos vampiros

Eu não podia começar a falar de filmes de Vampiros sem citar Drácula e o filme estrelado por Gary Oldman. Primeiro, temos um ator realmente FODA interpretando Vlad Tepes no que provavelmente é a versão mais sombria e fiel que você verá do Senhor da Noite em live-action (calma aí, Castlevania, eu ainda vou falar de você)!

Eu sou suspeito para falar desse filme porque ele trata o terror e o personagem de Drácula do jeito que eu gosto durante boa parte do filme – SEM MOSTRAR O QUE DRÁCULA REALMENTE É.

Como fã assumido de H.P. Lovecraft e do terror que mexe com a sua cabeça, eu digo que as cenas mais pavorosas de Drácula são aquelas em que você só vê a SOMBRA do vampiro e os momentos onde a terrível criatura não é vista diretamente, mas influencia o ambiente e os personagens.

Destaque para TODAS as cenas de Vlad antes de se tornar um demônio e a espetacular cena da igreja, onde ele renuncia a Deus, além da recepção de Drácula em seu castelo.

Assista abaixo um pedacinho da cena da igreja e constate: é ou não é o vampiro raiz???

Da última vez que chequei, tinha no Netflix. Faça um favor a si mesmo e assista a esse clássico!

Christopher Lee também interpretou o Vampirão em um filme de 1958 chamado O Vampiro da Noite. Vale conferir.

Não, esse não é o Christopher Lee, mas é o Vampirão da vida real!

P.S.: O livro que a Darkside Books lançou do Drácula de Bram Stoker é MARAVILHOSO, e eles nos presentearam com um exemplar que dá água na boca (ou sangue, hehehe) e muita dó de abrir!

Vampiros - Drácula
Obrigado, Darkside <3

Castlevania – cadê o seu Deus agora?

Castlevania + Anime + Netflix = ♥

Não dá para negar, a adaptação de Castlevania pela Netflix é simplesmente impecável! E o declínio de Drácula, a sua origem como um grande vilão e sua história cheia de perda, emoção e terror é simplesmente espetacular.

A série conta com duas temporadas bem curtas (infelizmente) e deve ganhar uma terceira entre 2019 e 2020. Aquele episódio em que aquele indivíduo corrupto na igreja tenta clamar a Deus e um dos demônios de Drácula diz que Deus o havia abandonado é impagável.

A dublagem em português também é sensacional, e muitas vezes consegue ser até melhor que o idioma original. Você não pode deixar de assistir!

Entrevista com o Vampiro – sexualidade e terror combinam muito bem!

Entrevista com o Vampiro é um dos meus filmes favoritos de todos os tempos. Além de reunir um elenco de peso, o filme aborda a vida (ou melhor, a morte) das criaturas da noite como nenhum outro longa.

Aqui você vê o fator sensualidade dos Vampiros, tanto em relação a homens quanto mulheres sendo utilizado como uma arma letal. Temos um pouco de romance aqui, um pouco de horror ali e diálogos profundos entre personagens que você nunca viu – e que fazem os Vampiros de Crepúsculo parecerem uma versão infantil dessa mesma história. Não existe homossexualidade, não existe heterossexualidade – existe a sedução, a sede e a morte.

Foi mal, fãs do Edward, eu respeito vocês, mas Entrevista com o Vampiro é infinitamente superior.

Esse filme foi provavelmente a melhor atuação da Kirsten Dunst, que ainda criança, teve que demonstrar o drama de uma vampira de centenas de anos aprisionada num corpo de uma criança.

Vampire: The Masquerade – a jóia da coroa das criaturas das trevas

Eu poderia passar pelo menos uma semana falando de Vampire: The Masquerade, mas o post precisa ter começo, meio e fim, então vou direto ao ponto: VOCÊ PRECISA JOGAR ISSO.

Seja na versão original, que é um RPG de mesa ou no PC, a franquia Vampire: The Masquerade te coloca na pele dos vampiros e traz escolhas que podem definir o futuro de toda uma raça, além de abordar os conceitos por trás da sociedade dos vampiros e seus clãs e sua relação com o mundo humano, além de outras criaturas das trevas.

Nos videogames, Vampire: The Masquerade ganhou dois jogos – Redemption e Bloodlines (esse último é simplesmente inesquecível). Os jogos são antigos, mas Bloodlines pode ser jogado no Steam por um preço bem pequeno. É um prato cheio para os amantes de RPG e de Vampiros.

Ah, e Vampire: The Masquerade Bloodlines 2 vem aí em 2020, veja o trailer abaixo e impressione-se!

O clima dessa franquia é incrível. SÉRIO. E a trilha sonora do primeiro Bloodlines… INESQUECÍVEL!

Em terra de Preacher, quem tem presas é rei

Australiano, excêntrico. Parece uma mistura de John Constantine e Ace Ventura, mas é apenas Cassidy, o vampiro da série Preacher, adaptação dos quadrinhos de mesmo nome e vivido por Joe Gilgun.

O personagem é responsável pelos melhores momentos das 3 temporadas da série, e podia muito bem sustentar uma série própria – devo dizer que ele carregou a segunda temporada da série nas costas.

Enfim, Preacher não é para qualquer um – é uma série que ofende, enfia o dedo na ferida e joga areia por cima, mas é espetacular, e embora não seja 100% fiel aos quadrinhos da Vertigo, rende boas horas de diversão e uma trama muito bacana.

Angel – quando o spin-off é melhor do que a série que deriva

Eu sequer conhecia Buffy, mas assistia Angel toda madrugada na Rede Globo, numa época em que o sinal ainda era interrompido de madrugada (sim, até o começo dos anos 2000, a TV simplesmente PARAVA durante a noite).

Éramos eu, minha mãe e minha irmã (eu com uns 4 ou 5 anos de idade) pirando enquanto Angel caçava vampiros em Los Angeles. Basicamente, Angel é um vampiro amaldiçoado com uma ALMA, para ser punido por todo o mal que já causou.

É uma história sobre redenção e vale muito a pena assistir. Conheci a Buffy depois, numa Sessão da Tarde, e sinceramente, prefiro a série da Sabrina (sim, a bruxa).

Blade – Wesley Snipes, Marvel, couro, pré-matrix, vampiros e violência

Qualquer criança (e muito marmanjo também) assistiu e curtiu muito Blade e Blade II (Trinity nem vale a menção). Wesley Snipes encarnou o vampiro da Marvel em filmes que precederam X-MEN, inspiraram Matrix e renovaram a fé nas adaptações de histórias em quadrinhos.

Sim, todo mundo fala dos X-MEN do Bryan Singer, mas o MCU tem que agradecer a Blade por existir hoje. E os filmes continuam MUITO BONS, viu? O Marvel Studios podia dar um jeito de incluir os filmes no Universo Cinematográfico Marvel e produzir uma continuação com… Sei lá, um filho do Blade?

Ah, e tem uma cena em um dos filmes do Blade com um vilão do Homem-Aranha, o Morbius, o Vampiro Vivo (que inclusive vai ganhar um filme com Jared Leto em breve).

Sensualidade e Vampiros – Anjos da Noite

Se Blade inspirou parte da estética e efeitos de Matrix, Matrix inspirou a estética da franquia Anjos da Noite, cuja proposta era trazer Kate Beckinsale em trajes apertadíssimos de couro, cenas de ação com filtros escuros e todo tipo de monstro da noite. O resultado? Funcionou durante muito tempo, até a franquia não ter mais o que explorar e cansar o público.

Vampiros - Anjos da Noite
Vampiros e a Metanfetamina Azul de Breaking Bad = Anjos da Noite

Vale a pena assistir a saga e conferir o desfecho da história. Destaque para os primeiros filmes e para a atuação de Kate.

Se Matrix usava verde em absolutamente tudo, Anjos da Noite fez isso com o azul.

Um Drink no Inferno – Pulp Fiction encontra A Morte do Demônio com Vampiros

Basicamente, isso define muito bem Um Drink no Inferno, estrelado por George Clooney e Quentin Tarantino. Pense em dois criminosos tentando sobreviver a uma noite, enfrentando hordas de vampiros. É isso, só que muito, muito bom!

Devo dizer que eu não assisti à série, só o filme.

Mas, e Crepúsculo? E o Edward?

Nós temos mesmo que falar sobre isso?

Pois é, para a infelicidade de uns e alegria de outros, Crepúsculo existe e ainda tem uma legião de fãs ao redor do planeta. Se você não gosta, tá tudo certo, toda obra tem um público-alvo e a obra de Stephenie Meyer é voltada para adolescentes. Indiscutivelmente, a franquia no cinema manteve a mitologia dos vampiros viva entre 2008 e 2012.

Não li os livros, não gosto dos filmes – exceto o primeiro, que é até divertido. Com toda a certeza, os Volturi são o mais próximo dos vampiros aos quais estou acostumado, e se tivessem sido melhor explorados, poderiam ter dado um outro rumo à franquia – mas, claramente, o foco era o relacionamento de Edward Cullen, Bella e sua família.

Agora, convenhamos: aquele lance entre o Jacob e a Renesmee é nojento.

Não tem como não concordar!

Bom, é isso! O Edward era dublado com a voz do Goku (grande Wendel Bezerra), Vampire: The Masquerade Bloodlines 2 vem aí, Anjos da Noite foi uma franquia que durou uns 10 anos, Angel e Buffy foram esquecidos pelo tempo, Blade vira e mexe ganha um rumor na Marvel, Castlevania ganhará novas temporadas na Netflix (E CADÊ NOVOS JOGOS?), o Tarantino não mexe mais com vampiros, a Universal desistiu daquele universo de monstros com aquela versão HORRÍVEL do Drácula e Entrevista com o Vampiro graças a Deus não ganhou um remake AINDA.

Ah, e Jared Leto será o Morbius em um filme que ninguém pediu, sobre um vilão do Homem-Aranha em um universo SEM o Homem-Aranha e sem o Blade.
¯\_(ツ)_/¯

A minha expectativa é que tenhamos mais filmes, jogos e séries com Vampiros e, esperançosamente, algo como o filme A BRUXA e a adaptação de Drácula de Bram Stoker. É pedir demais?

Menções honrosas

Separei mais alguns títulos dos quais me lembro, só pra você não ficar triste de eu não tê-los mencionado. Foi mal, o post precisava ter um final!

  • True Blood;
  • Don Drácula (anime bem antigo ♥);
  • Nosferatu (1922);
  • Hellsing (anime);
  • Van Helsing (com Hugh Jackman);
  • The Vampire Diaries;
  • Vampire Knight (anime).

A estética de Blade inspirou Matrix, que inspirou a estética de Anjos da Noite? Como assim?! Leia mais sobre isso no nosso especial de 20 anos de The Matrix!

Drácula de Bram Stoker - Darkside - Banner comprar