Com toda certeza você já deve ter visto algo nos cinemas, videogames, ou até mesmo nos quadrinhos, que se baseou em algum fato que você aprendeu nas suas aulas de História. Caso não saiba, as influências, ideologias do mundo real, e principalmente os fatos históricos, são as grandes bases para diversos elementos da Cultura POP. Seja presente como um todo, ou de forma minuciosa, as influências da história mundial sempre originam novos materiais.

Mas qual a relevância de se adaptar um fato que já ocorreu? A resposta para essa questão é respondida diariamente, afinal, é com o passado que aprendemos e moldamos nosso futuro, seja analisando os erros, mas principalmente aperfeiçoando os acertos. Além disso, a adaptação histórica para diversas mídias é grande auxiliadora no aprendizado e estudo. Os benefícios são muitos.

GAMES

Exemplos claros estão presentes no mundo dos games, afinal quem já jogou algum título da série Assassin’s Creed, pôde se conectar, aprender e entender alguns fatos históricos que marcaram o mundo.

A famosa franquia tem como foco principal o longo embate entre Assassinos e Templários, que, nos games, percorre por diversos anos e períodos. Os dois grupos que realmente existiram, são os focos da franquia que mescla o real e o imaginado de forma única.

É sabido que todos os títulos da famosa série, passam por grandes estudos para conciliar, da melhor maneira possível, cultura, fatos, personagens históricos e ambientes reais, com a ficção. Para se ter uma ideia, a franquia Assassin’s Creed já adaptou o período das Cruzadas, Renascença, Revolução Americana, Revolução Industrial, e vários outros períodos importantes da história mundial. Fazer isso não só aumentou a popularidade do game, como também mostrou que a famosa plataforma, pode servir como um grande auxiliar no aprendizado.

Vale lembrar que o título chegou aos cinemas. A adaptação intitulada simplesmente como ‘Assassin’s Creed’ (Justin Kurzel, 2016), expande a franquia e adapta um novo período histórico, a Inquisição Espanhola, que ocorreu no século XV.

Assassin’s Creed: Unity – O jogo adapta eventos da Revolução Francesa (século XVIII).

Durante toda a história recente, tivemos grandes guerras que, hoje, são bases para diversos outros títulos. Já que entramos no mundo dos games, vale ressaltar títulos como Medal of Honor, Call of Duty e Battlefield. Esses icônicos nomes dos jogos de guerra, já adaptaram os principais conflitos que marcaram o globo, desde a Primeira e Segunda Guerra Mundial, até mesmo momentos da Guerra Fria e do Vietnã.

Visto isso, podemos citar os primeiros Medal of Honor e Call of Duty, que adaptaram fielmente elementos da Segunda Guerra Mundial, mostrando desde os eventos do famoso Dia D (dia em que os aliados invadiram a Normandia em 6 de julho de 1944), até mesmo moldando estágios e ambientes com fidelidade aos da época.

Para adaptar e transmitir maior fidelidade, os responsáveis pelo desenvolvimento dos games analisaram minuciosamente diversas fotos das localidades da grande guerra para adaptarem aos jogos. Inclusive, os dois games citados, adaptam fielmente as localidades, já que se passam no mesmo período.

Dia D retratado em Call of Duty 2 (2005).

Ainda nos games, existem outros títulos que nos ensinam um pouco mais sobre a história. Por exemplo, se você é interessado na cultura da Grécia Antiga, um bom auxílio, é a franquia God of War, que retrata de forma espetacular elementos da mitologia da época.

Porém, se você é mais pé no chão, o game L.A. Noire, por exemplo, adapta a cidade de Los Angeles em 1947, apresentando diversos crimes que precisam ser solucionados. Tais eventos, foram baseados no jornal L.A. Times que percorria a famosa cidade nos anos 40.

TV e CINEMA

Entre diversos conteúdos, o Cinema e a TV são um dos mais influenciadores meios de comunicação para o aprendizado da história mundial. Sabendo disso, são inúmeros os conteúdos pertencentes a Cultura POP que são influenciados pela história.

Ao reviver fatos reais, ou simplesmente mesclar a história com a ficção em um longa-metragem, tais eventos conseguem ser reapresentados para um novo público, e consequentemente tornam-se mais duradouros do que nunca.

Liam Neeson em cena de ‘A Lista de Schindler’ (The Schindler’s List, Steven Spielberg, 1993), filme que mostra a história do homem que salvou mais de mil judeus dos campos de concentração.

Filmes como A Lista de Schindler (Steven Spielberg, 1993), O Pianista (Roman Polanski, 2003) e O Jogo da Imitação (Morten Tyldum, 2015), são grandes exemplos que mostram a fundo algumas das histórias pessoais vividas durante o período da Segunda Guerra Mundial.

Benedict Cumberbatch e Keira Knightley estrelam filme sobre a vida de Alan Turing, peça importante na Segunda Guerra Mundial, em ‘O Jogo da Imitação’ (The Imitation Game, Morten Tyldum, 2015).

Embora existam diversos materiais baseados apenas nos fatos ocorridos, existem também aqueles que decidem mesclar o real com a ficção, originando uma obra totalmente nova e original. Um grande exemplo é o filme300‘ (Zack Snyder, 2007), baseado primeiramente nos quadrinhos de Frank Miller, que por sua vez se baseou na real história dos espartanos. Embora o filme mescle o real com a fantasia, a história está presente, e é um excelente material para aqueles que desejam saber ainda mais sobre esse antigo povo.

Uma continuação também já foi produzida, 300: A Ascensão do Império‘ (Noam Murro, 2014), se passa antes, durante e após os eventos do primeiro filme, nos apresentando de uma forma totalmente nova, como os gregos, sob o comando de Temístocles, garantiram sua primeira vitória sobre os persas no período da Guerras Médicas.

Gerard Buttler dá vida ao Rei Leônidas em ‘300’ (Zack Snyder, 2007).

Ainda falando sobre a grande mescla dos fatos com a ficção, temos exemplos que se aproveitam da época, para construir sua própria história original. Esse é o caso de X-Men: Primeira Classe‘ (Matthew Vaughn, 2011). O filme, considerado por muitos como o melhor da franquia, se passa nos anos 60 e mostra a origem do grupo em meio aos eventos da Guerra Fria. A continuação, X-Men: Dias de um Futuro Esquecido‘ (Bryan Singer, 2014), também faz o uso da História, e encaixa estratégica e minuciosamente a trágica morte do presidente John F. Kennedy ao enredo do filme.

Baseado nos quadrinhos da Marvel Comics, o grupo de mutantes é um dos mais famosos e respeitados grupos do universo das HQ’s.

James McAvoy (Charles Xavier/Professor X) e Michael Fassbender (Erik Lehnsherr/Magneto) estrelam ‘X-Men: Primeira Classe’ (Matthew Vaughn, 2011), filme que mostra a origem dos X-Men.

Assim, como Primeira Classe, o filme Watchmen (Zack Snyder, 2009) também se passa durante a época da Guerra Fria, e nos apresenta uma nova visão da tensa época, que consistiu em disputas estratégicas e conflitos indiretos, que originou grandes desenvolvimentos entre os Estados Unidos e a antiga União Soviética.

Escrito por Alan Moore, Watchmen, é um dos mais conhecidos e importantes quadrinhos da DC Comics, especialmente pelos seus conceitos e ideologias, que os tornaram algo totalmente original.

Dirigido por Zack Snyder, ‘Watchmen’, é considerado um grande filme que retrata fielmente cada ideia e evento dos clássicos quadrinhos.

Além de grandes eventos que marcaram o mundo, a TV e o Cinema são capazes de apresentar um pouco mais sobre a cultura de determinadas épocas através de diversas propostas. Um grande exemplo pode ser encontrado na famosa série Mad Men (Matthew Weiner, 2007), que se passa nos anos 60 e mostra a rotina de publicitários, mas principalmente as realidades sociais vividas e enfrentadas na época.

Mad Men, mostra acima de tudo, a realidade dos anos 60 nos EUA.

Ter o contato com a História através dos diversos materiais de entretenimento disponíveis, é algo totalmente positivo para o público. Afinal, auxiliam de alguma forma a compreender a cultura, costumes e dilemas de determinado período.

Embora seja de grande auxílio, os diversos materiais da Cultura POP são adaptações, e não devem substituir os livros, documentos e pesquisas que revelam o que realmente aconteceu. Mas, com toda certeza, ajudam, e muito, na compreensão de determinados fatos.

Aprender e reaprender, seja como for, nunca é o bastante.

“Cada época é definida pelo que apresenta de novo, de especificamente seu. Pode não ser um alto pensamento filosófico, uma grande reforma moral, uma arte requintada, uma ciência generosa. Mas há-de ser a dádiva de qualquer uma dessas manifestações humanas, ou todas, numa concepção inteiramente inédita, original, inconcebível noutro tempo da história.”

Torga, Miguel.