Feliz dia da toalha, meus pequenos geeks! Eis que chega mais um 25 de maio (o primeiro do Geekable, YEAH BITCH!), conhecido MUNDIALMENTE como uma homenagem a Douglas Adams, o escritor de uma das sagas mais nerds, senão a maior saga nerd – uma das minhas preferidas – de toda a história da humanidade: O GUIA DO MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS (se você não conhece esse singular sujeito ou, tampouco, sua obra, pare TUDO o que está fazendo nesse momento – ou pode ao menos terminar o post – e vá AGORA na livraria mais próxima comprar a fantástica “trilogia de cinco livros”).

E, antes que vocês me venham com esse papinho de “orgulho nerd”, NÃO, NÃO É DIA DO ORGULHO NERD!

Se você não entende o verdadeiro valor de uma toalha para um mochileiro galático, no final do post há um trecho do livro onde o Adams descreve a real importância desse objeto. Não entre em pânico, não há spoilers!

Como uma homenagem do Geekable, resolvemos escrever esse post com algumas curiosidades sobre esse dia, sobre Douglas “Gênio” Adams, sobre o Guia do Mochileiro das Galáxias, sobre a vida, o Universo e tudo mais. Então pegue sua toalha e venha conosco nesse passeio pelas galáxias de Douglas Adams:

1 – O dia nasceu como uma homenagem dos fãs à Adams, após seu falecimento. Eles queriam fazer algo que estivesse de acordo com a personalidade do autor, algo engraçado e criativo, então, no dia 25 de maio de 2001, foi combinado que todos sairiam vestindo toalhas, seja na cabeça, como turbante, como capa, somente de toalha , enfim, todos passaram esse dia homenageando seu ídolo. Após isso, o dia acabou sendo imortalizado como o “Dia da Toalha”, sendo comemorado ano após ano;

2 – O insight que Douglas teve para escrever o livro veio numa noite em que estava deitado, bêbado, em um campo da Áustria, frustrado por não conseguir se comunicar com os habitantes locais. Em suas mãos ele segurava O Guia do Mochileiro da Europa;

3 – O Guia do Mochileiro das Galáxias foi, inicialmente, lançado como série de rádio em 1978. Só no ano seguinte que, devido ao sucesso, foi lançado o livro;

4 – Ele adorava suas iniciais, DNA – Douglas Noël Adams (na verdade, é realmente maneiro; a partir de agora, vou me referir a ele somente como DNA);

5 – Em 1983, DNA lançou um livro humorístico chamado “The Meaning of Liff”, é um “dicionário de coisas que ainda não são palavras” (eu falo, esse cara era um GÊNIO!). Em 1990 ele lançou a continuação do livro, “The Deeper Meaning of Liff”;

6 – A série já ganhou uma versão cinematográfica, lançada em 2005, que conta com Martin Freeman, Zooey Deschanel e Alan Rickman no elenco (você ficaria surpreso se soubesse que ele interpretou Marvin, o Andróide Paranóide);

7 – DNA  era um ambientalista, ateu, era amante de carros possantes, computadores Macintosh e outros brinquedinhos tecnológicos (basicamente, um nerd);

douglasadams8 – Ele era guitarrista (e mandava muito bem);

9 – A saga imortalizou o número “42” como sendo a resposta para a vida, o universo e tudo mais, e ganhou tamanha fama que, se você for AGORA no Google e digitar “a resposta para a vida, o universo e tudo mais”, o resultado trará: 42.

10 – DNA faleceu aos 49 anos, devido a um ataque cardíaco. Em sua lápide, está agravada a frase “Até mais, e obrigado pelos peixes”, um dos bordões da série;

11 – Douglas Adams foi tão genial que, até hoje influencia jovens, adultos e, até mesmo, velhos com sua fantástica obra.

Agora, sabendo um pouco mais sobre esse ser genial, pegue sua toalha e leia (ou releia, se você já conhece) o trecho sobre o principal objeto de um mochileiro.

“A toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido a seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon;

Pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas do rio Moth;

Pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você – estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz);

Você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro;

E naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa.

Porém o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um estrito (isto é, um não-mochileiro) descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele tem também escova de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc., etc.

Além disso, o estrito terá prazer em emprestar ao mochileiro qualquer um desses objetos, ou muitos outros, que o mochileiro por acaso tenha “acidentalmente perdido”. O que o estrito vai pensar é que, se um sujeito é capaz de rodar por toda a Galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito.” – Traduzido do blog Clarices, retirado do Jovem Nerd.