Que Krypton explodiu em pedacinhos, você já sabe. Que o Último Filho de Krypton (exceto por Zod, Supergirl e uma galera) se tornou o Superman, você também já sabe. Mas onde estava o Lanterna Verde encarregado de proteger o planeta natal do Homem de Aço?

Os Lanternas são como uma força policial galáctica, designados para diferentes setores do universo, destinados a proteger planetas e estrelas de catástrofes e quaisquer ameaças.

Claro que em 1938, quando o Superman foi mostrado nas páginas de Action Comics #1, Jerry Siegel e Joe Shuster nem imaginavam que haveria alguém encarregado de proteger planetas, e que este alguém poderia ter salvado Krypton. Apesar de criado em 1940, o Lanterna Verde original (Alan Scott) era bem diferente de Hal Jordan, John Stewart, Guy GardnerKyle Rayner, Jessica Cruz e Simon Baz, os Lanternas que todo mundo (ou quase) conhece.

Foi pensando nisso que Elliot S. Maggin criou uma história curta para as páginas de Superman #257, nos anos 70, mostrando a cruel realidade de Tomar-Re.

Tomar-Re foi um Lanterna Verde, que estava próximo de se aposentar. Sua última missão era a de “consertar” Krypton e, futuramente, recrutar Kal-El como um Lanterna Verde.

Para entendermos a extensão do problema de Krypton, precisamos entender sua cultura e costumes. Se você leu o livro ‘Os Últimos Dias de Krypton’, escrito por Kevin J. Anderson, terá melhor compreensão do que estamos falando aqui. – Ah, e o livro foi uma fonte de inspiração para Krypton de Homem de Aço (2013)!

Os Kryptonianos, principalmente o Conselho de Krypton, são veementemente contra a exploração de outros planetas e estrelas. Mas nem sempre foi assim. Os habitantes de Krypton já foram uma raça de exploradores estelares! Quando Jax-Ur, um cientista com intenções perversas, causou um incidente de proporções incabíveis, criou-se a proibição para a construção de espaçonaves e para a exploração. Pouco a pouco, Krypton se fechava para o universo ao seu redor e caminhava para o seu fim.

Tanto no livro quanto nos quadrinhos, o Conselho é alertado pro Jor-El sobre a provável destruição de Krypton, que levaria a civilização à morte, a menos que todos pudessem ser levados para outro planeta. A construção de naves era um ato ilegal e criminoso, logo, levar toda a população seria impossível, mesmo que Jor-El e seu irmão, Zor-El trabalhassem em conjunto. Jor-El, porém, não estava nem um pouco preocupado com as leis e criou uma nave para que seu filho pudesse sobreviver.

Os Guardiões levaram a “personalidade difícil” dos Kryptonianos em consideração e, por isso, a missão de Tomar-Re era absolutamente secreta: coletar uma energia chamada Stellarium para reparar o interior de Krypton e estabilizar seu núcleo. Para piorar, se Krypton não explodisse, dentro de nove anos kryptonianos, todas as estrelas ao redor seriam dizimadas pelo campo magnético do planeta.

Lanterna Verde
“Que ética mais estranha. Esses humanos valorizam a liberdade acima de suas próprias vidas!” – Tomar-Re, no último painel da página.

Porém, quando o pobre Lanterna estava prestes a terminar sua missão, pouco antes de Krypton encontrar sua ruína, ele coletou energia de uma estrela prestes a explodir. Seu anel o protegeu da morte, mas a radiação amarela o cegou temporariamente. Re ainda tentou navegar pelo universo, cego, desesperado para chegar a tempo na órbita de Krypton com o pouco de Stellarium que ainda restava e, assim, salvar o planeta.

Lanterna Verde
Que descuido!

Tomar-Re chegou a tempo. A tempo de ver o planeta ser destruído. Esse seria seu maior fracasso como Lanterna Verde.

Lanterna Verde

Muitos anos depois, os Guardiões contaram a Tomar-Re que o destino de Kal-El não havia sido tão diferente do que os protetores do universo tinham em mente. Kal não se tornara um Lanterna, mas graças ao Sol Amarelo, tornou-se o Superman.

Tomar-Re também participou do filme Lanterna Verde (2011). O personagem já deu as caras nas séries animadas Liga da Justiça e Liga da Justiça: Sem Limites, além do longa animado Green Lantern: Emerald Knights, a série The Batman, Batman: Bravos e Destemidos e até mesmo Duck Dodgers!

Já imaginou se essa história fosse criada nos dias de hoje? Capaz de os Guardiões tramarem a destruição de Krypton para evitar que mais planetas fossem dizimados, poupando mais vidas. Talvez rolasse até um confronto do Super contra os Lanternas. Felizmente, tudo aconteceu nos anos 70. Ufa!

Curta Geekable no Facebook e fique ligado nas novidades!

  • Ricardo Alves Priest

    “Já imaginou se essa história fosse criada nos dias de hoje? Capaz de os Guardiões tramarem a destruição de Krypton para evitar que mais planetas fossem dizimados, poupando mais vidas. Talvez rolasse até um confronto do Super contra os Lanternas. Felizmente, tudo aconteceu nos anos 70. Ufa!”

    BEm rolou algo parecido com isso no Injustice, culpa do Sinestro

    • Gustavo Mathias

      Pois é. Havia me esquecido desse detalhe! Hahahaha

      • Matheus Himura

        só que no injustice ganthet não se justifica pra clark, ele não fala que tentaram salvar krypton, só fica em siencio mesmo huehuehue

        • Gustavo Mathias

          Eles com certeza não levaram esse fato em consideração. É muita história paralela!

  • Luiz Claro Dos Santos Neto

    Isso me fez lembrar outro planeta, que o passado foi colonizado por Krypton, mas criaram sua própria cultura, Damax, ele são extremamente fechado e o governo espalha um terror e medo sobre outros alienígenas, dizendo que todos aliens são inimigos.
    Os Guardiões enviaram emissários para Damax para fazer um acordo de paz e mostrar que os aliens não eram todos malignos, alguns queriam ajudar, mas secretamente o governo matava algum alienígenas que iam ao planeta e, às vezes, colocavam os corpos em meses na área de Grandes Ameaças ao planeta.

  • Luiz Claro Dos Santos Neto

    Também tem outra coisa que já li que pode ter feito os guardiões não ajudar Krypton.
    Depois que Braniac engarrafar Kandor, o conselho de Krypton tomou uma política contra alienígenas, de acreditar que todos são ameaças, como Damax, assim eles rejeitaram a ajuda de um lanterna para salvar o planeta.
    Além de, o conselho acreditava que o planeta não iria explodir, como mostra no Livro Últimos dias de Krypton.
    Outro fato, que já li, Krypton chegou no seu auge de evolução, acreditavam ser superior diante as outras raças alienígenas e se fecharam diante a todos universo. Rejeitando qualquer ligação outras culturas alienígenas
    alienígenas.
    E não pode esquecer o fato de que os guardiões, quando resolveram criar uma tropa, eles abdicaram dos seus sentimentos e nomes, para que isso não influência nos julgamentos, somente quando Hall entrou na tropa e um guardião resolver ter sentimento e usar de novo seu nome, Ganthet.

    • Gustavo Mathias

      Na verdade, os Guardiões queriam salvar o máximo de vidas possível. Provavelmente por conta da possibilidade do planeta não explodir de fato, mas do campo magnético dizimar a vida ao redor de Krypton. Por isso enviaram Tomar-Re em segredo, ou então os Kryptonianos não aceitariam a ajuda!

  • Leonardo Balmant

    Nem citaram o Gardner na lista de atuais lanternas, poxa kkkk

    • Gustavo Mathias

      Bem lembrado. Vou adicionar! Ele costumava ser meu Lanterna favorito!

  • Alex Nascimento

    Ao menos o planeta foi destruído por “causas naturais” e não por conta da arrogância de um certo John Stewart ao lutar contra um vilão.

    • Gustavo Mathias

      hahahahaha